Veja o que mudou no calendário de vacinação 2016

Este post foi visto 676 vez(es).

bbO Ministério da Saúde anunciou algumas mudanças referentes ao calendário de vacinação 2016. Um dos principais destaques é em relação à vacina contra o HPV (papiloma vírus humano). O esquema vacinal passa a ser somente de duas doses entre nove e 13 anos, sendo que a menina deve receber a segunda seis meses após a primeira, deixando de ser necessária a administração da terceira.

Segundo informações da Pasta, estudos recentes mostram que o esquema com duas doses apresenta uma resposta de anticorpos em meninas saudáveis de 9 a 14 anos não inferior quando comparada à resposta imune de mulheres de 15 a 25 anos que receberam três doses. Entretanto, as mulheres vivendo com HIV entre de 9 a 26 anos devem continuar recebendo o esquema de três doses.

Para os bebês, a principal diferença será a redução de uma dose na vacina pneumocócica 10 valente contra pneumonia e outras doenças, que a partir de agora será aplicada em duas doses, aos 2 e 4 meses, seguida de reforço preferencialmente aos 12 meses, mas que poderá ser tomado até os 4 anos. Essa recomendação também foi tomada em virtude dos estudos mostrarem que o esquema de duas doses mais um reforço tem a mesma efetividade do esquema três doses mais um reforço. Crianças de 12 meses a quatro anos que não tiverem sido vacinadas poderão tomar uma dose única e garantir a imunização.

A vacina contra hepatite A será indicada a partir dos 15 meses, podendo ser aplicada até os 23 meses de vida. Antes, a vacina de dose única era aplicada a partir dos 12 meses.

Ainda no primeiro semestre de 2016, a vacina contra hepatite B passará a ser oferecida para maiores de 50 anos, o que não ocorria anteriormente.

Contra a paralisia infantil, o que muda é a forma de aplicar a vacina e o tipo de vírus. A terceira dose era de gotinha com vírus atenuados, e agora vai ser aplicada com a injeção de vírus mortos.

Também haverá mudança da vacina meningocócica C (conjugada), que protege as crianças contra meningite causada pelo meningococo C. O reforço, que anteriormente era aplicado aos 15 meses, foi antecipado e passa a ser aplicado aos 12 meses, preferencialmente, podendo ser feito até os 4 anos. As primeiras doses da meningocócica continuam sendo realizadas aos 3 e 5 meses. Crianças de 12 meses a quatro que não receberam a vacina poderão ser imunizadas com uma dose única, assim como no caso da pneumocócica 10 valente.

Todos os postos de saúde do Brasil já estão cientes das mudanças do Ministério da Saúde. Fique sempre atento às carteirinhas de vacinação das crianças.

Fonte: Site Drauzio Varella/Ministério da Saúde

.

//CANAL DE VÍDEOS

//ASSESSORIA CIENTÍFICA

O Laboratório Carvalho mantém uma equipe de Bioquímicos à disposição de médicos e laboratórios conveniados para esclarecer dúvidas sobre os testes disponíveis e discutir casos clínicos, resultados e indicações de exames laboratoriais. Essa equipe também é responsável pela pesquisa de novas metodologias e participação nos processos de validações de ensaios laboratoriais.